Dicas e Noticias

Celulite Infecciosa – O Que é, Tratamento, Causas e Sintomas

Celulite é um mal que perturba quase que 100% da população feminina, além de outra porcentagem pequena de homens. A celulite infecciosa, diferente da celulite estética tradicional que conhecemos (que é apenas incômoda mas não tão grave), é muito mais perigosa e pode até levar à morte.

Muitas pessoas a desconhecem e não identificam a doença logo no início de sua manifestação, podendo até confundir com outra infecção e medicar-se erroneamente. Por isso e tantos outros motivos, conhecer seus sintomas, como ocorre e o tratamento é primordial, tanto para homens quanto para mulheres, visto que essa doença é severa e muito prejudicial se não tratada.

O que é

Proveniente de uma infecção bacteriana, a celulite infecciosa afeta as camadas mais profundas da pele. Pode ocorrer, também, a infecção por hemófilos, pseudômonas (que costumam atacar idosos) ou fungos, porém são situações mais raras.

A pele, maior órgão do corpo humano, é subdividida em: epiderme, derme e hipoderme. No caso da celulite infecciosa, a infecção atravessa a primeira camada, que é a derme, e se instala em tecidos subcutâneos, que são mais profundos.

Os principais agentes dessa infecção são dois tipos de bactérias: bactérias dos tipos estafilococos e estreptococo.

Causas

A celulite infecciosa ocorre quando há qualquer abertura na pele, como uma ferida, picada de inseto, rachadura, ferida, unha encravada, acne, problema odontológico etc. A bactéria percussora da doença irá se infiltrar por essa porta de entrada e espalhar-se pela área, levando à infecção. O problema pode ocorre tanto nas pernas e pés, que são mais comuns em países de clima quente, como o Brasil, quanto no rosto.

Alguns outros fatores podem levar uma pessoa a ser mais suscetível a essa doença. Ter o sistema imunológico mais fraco, o que dificultaria o combate às primeiras bactérias invasoras; ter linfedema, que é o acúmulo de líquidos em regiões do corpo, que acaba provocando inchaços nas pernas e braços; e ser usuária de drogas intravenosas, como a heroína.

Outros fatores podem contribuir ou acelerar o aparecimento da celulite infecciosa. Os hormônios da puberdade, a hereditariedade, o sexo, o biótipo corporal, alimentação inadequada, sedentarismo, remédios, gravidez e estresse são alguns deles. Para evitar ou retardar o aparecimento da celulite infecciosa, alguns cuidados são essenciais: manutenção da higiene, cuidado com a pele e o uso de cremes hidratantes antibacterianos.

Sintomas

A celulite infecciosa pode manifestar-se com bolhas muito dolorosas espalhadas pela região afetada, podendo provocar a necrose do tecido caso estourem. Em casos mais raros, a infecção pode se tornar generalizada, o que representa risco de morte.

Alguns outros sintomas associados à celulite infecciosa são: dores no corpo, febre, calor localizado, mancha ardente e avermelhada no local afetado, inchaço, pele levemente macia e inflamação nos gânglios linfáticos (ínguas). Caso a infecção atinja o sangue, por exemplo, é comum sentir febre, ter vômitos, respiração acelerada e desorientação/confusão.

No diagnóstico, o médico deverá exigir exames para que consiga diferenciar a celulite infecciosa de demais outras doenças de pele com sintomas semelhantes. Normalmente, o médico irá retirar uma amostra da ferida aberta na região afetada e examinar o tipo de bactéria que se encontra no local.

Tratamento

Com a ida ao médico logo no início da infecção, fica fácil tratar a celulite infecciosa com antibióticos. Em casos mais graves, é exigida a internação do paciente por alguns dias, sob o tratamento de antibióticos orais, além de aplicar curativos úmidos e elevar a perna para aliviar as dores.

Para bactérias estafilococos, os antibióticos recomendados são: dicloxacilina, oxacilina ou nafcilina.

Para bactérias estreptococos, normalmente usa-se os antibióticos: penicilina por via oral, penicilina por via endovenosa com clindamicina ou eritromicina e clindamicina.

Como prevenir

O primeiro passo para prevenir a celulite infecciosa é evitar, ao máximo, abrir feridas em áreas que são suscetíveis à doença: pernas, pés e rosto. Caso ocorra algum ferimento, é importante manter o local sempre limpo e aplicar cremes antibacterianos. Manter a área enfaixada também ajuda, mudando o curativo sempre que necessário, já que se isso não for feito, pode piorar a situação.

Mantenha as mãos sempre higienizadas, sempre que necessário, principalmente quando entrar em contato com locais muito sujos ou superlotados. Para tratar de qualquer ferida da pele, esteja com as mãos limpas. Hidratar a pele do corpo todo também é importante, para que esta se torne menos suscetível a feridas e rachaduras.